Infecção urinária na criança

Como aparece a infecção urinária na criança ?
As infecções urinárias podem surgir de duas formas distintas, uma através de bactérias que contaminam o sangue e infectam secundáriamente o aparelho urinário (via hematogénea ), e outra, mais frequente , a partir de bactérias presentes na região do períneo (zona que rodeia o ânus e os genitais), que a partir da abertura da uretra infectam outras zonas do aparelho urinário (via ascendente). A primeira forma de infecção (via hematogénea) é característica do 1º mês de vida , enquanto depois dessa idade a grande maioria das infcções urinárias se faz por via ascendente.

A possibilidade de infecção por via ascendente está associada não só a deficiente higiene do períneo (onde se encontram microorganismos da flora intestinal transportados nas fezes), como a proliferação de bactérias se existem condições que facilitam a premanência prolongada da urina na bexiga (tais como o esvaziamento pouco frequente ou incompleto da bexiga ou a existência de anomalias do aparelho urinário).

Porque razão a infecção urinária é mais frequente no sexo feminino ?

A infecção urinária é mais frequente no sexo feminino por razões anatómicas , já que as meninas têm uma uretra mais curta , facilitando a passagem de bactérias do exterior para o interior da bexiga. No sexo masculino, a fimose ( aperto do prepúcio, que é a pele que envolve a extremidade do pénis), ou as aderências do prepúcio associadas a uma higiene deficiente desta região, podem também favorecer as infecções urinárias por via ascendente, mas em número inferior às que afectam as meninas.

Como se manifesta a infecção urinária nas crianças ?
Um dos problemas que o diagnóstico das infecções urinária apresenta é a sua sintomatologia pouco específica nas crianças mais pequenas. Assim, podemos considerar diferentes formas de apresentação consoante a idade da criança. Durante o primeiro ano de vida a infecção urinária pode manifestar-se por febre, deficiente aumento de peso, recusa alimentar, vómitos, diarreia e urina com mau cheiro.

Dos dois aos seis anos, além da febre, vómitos , diarreia e dor abdominal, é possível encontrar sintomas mais específicos, como aumento das idas á casa de banho para urinar, ardor a urinar e dificuldade ou impossibilidade de controlar a saída da urina (enurese). Para dificultar o quadro , as meninas desta idade têm frequentemente irritação da região genital (vulva), que pode causar também ardor durante a micção sem que haja infecção. Nas crianças mais velhas os sintomas são semelhantes aos do adulto com predomínio das queixas urinárias , como ardor ao urinar e aumento da frequência das micções.

Como se faz o diagnóstico de infecção urinária ?
Perante a suspeita de uma infecção urinária o médico pede uma análise de urina colhida para um recipiente esterlizado (urinocultura) para tentar identificar a presença de bactérias. No caso de o resultado ser positivo, aproveita-se a mesma amostra de urina para testar a sensibilidade de diferentes antibióticos para a bactéria isolada, seleccionando os mais eficazes para o tratamento da infecção.

Como se recolhe uma amostra de urina para análise ?
A colheita de urina em condições adequadas para este tipo de exame não é simples na criança pequena. É importante fazer uma limpeza e desinfecção correctas da região da pele que rodeia o meato urinário ( orifício de abertura da uretra, por onde sai a urina), para que a amostra de urina não fique contaminada por bactérias presentes no exterior do aparelho urinário. Se a criança já tem idade para colaborar, após a limpeza deve urinar para um recipiente esterlizado fornecido pelo laboratório ou adquirido na farmácia, rejeitando- se a urina da fase inicial do jacto urinário e recolhendo a do jacto médio ( que apresenta menor risco de ter bactérias contaminantes do exterior).

Nas crianças pequenas, que ainda não deixaram as fraldas, a recolha da urina depois da limpeza do períneo deve ser feita para um saco colector esterlizado , que é colocado na região genital até que a criança urine. Quando a criança demora a urinar, o saco deve ser substituído a cada meia hora, devendo o mesmo ser feito se houver uma emissão de fezes com o saco colocado. Logo que a criança urine a amostra deve ser entregue para análise, já que a demora na sua realização pode alterar o resultado, com o aparecimento de falsos positivos.

Porque é tão importante colher a amostra de urina de forma adequada ?
Uma colheita de urina correctamente realizada , diminuindo o risco de resultados falsos positivos que não correspondem a uma verdadeira infecção, é particularmente importante na criança pelas consequências que acarrecta o diagnóstico de infecção urinária nesta idade. O diagnóstico de infecçao urinária no primeiro ano de vida ou de infecções recorrentes na infância, obrigam a uma investigação posterior para exclusão de malformações do aparelho urinário , com realização de uma ecografia renal e de uma uretrocistografia (exame que avalia se o fluxo da urina dos rins para a bexiga é normal). Se forem detectadas alterações nestes exames poderão ser necessários exames adicionais e a criança deve ser observada numa consulta de especialidade (Nefrologia Pediátrica).

Como se trata a infecção urinária ?
Para tratar a infecção urinária o médico prescreve um antibiótico escolhido de acordo com a idade da criança ou com os resultados da análise de urina se já os possuir. O tratamento tem habitualmente a duração de dez dias e deve ser cumprido até ao fim. Após o tratamento deve ser realizada nova análise que confirma se a infecção está completamente curada.

Em que situações se deve instituir um tratamento preventivo das infecções urinárias ?
Quando a infecção urinária ocorre no primeiro ano de vida , quando há infecções de repetição ou foram diagnosticadas anomalias do aparelho urinário (por ex. refluxo vesico uretral), há indicação para fazer um tratamento que previna a recidiva das infecções, e que consiste na adimnistração de um antibiótico em dose única diária durante um período prolongado. O objectivo do tratamento antibiótico profilático é evitar as reinfecções , que podem deixar cicatrizes renais e causar complicações tardias graves , como a hipertensão arterial de causa renal ou a insuficiência renal.

Que consequências pode ter uma infecção urinária ?
Embora a maioria das infecções urinárias precocemente diagnosticadas e correctamente tratadas evoluam para a cura sem complicações, sabe- se 5 a 10 % das crianças com infecção urinária sintomática acompanhada de febre ficam com cicatrizes renais. As infecções repetidas, incorrectamente tratadas ou de maior gravidade, podem podem originar complicações tardias, como a hipertensão ou a insuficiência renal. A infecção urinária com envolvimento renal (pielonefrite) pode provocar uma disseminação das bactéria através do sangue causando uma infecção generalizada e grave (sepsis). A probabilidade de isto suceder é bastante superior nos três primeiros meses de vida, motivo pelo qual as crianças dessa idade com infecção urinária e febre devem ser internadas para melhor vigilância do tratamento e da evolução da infecção.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.